Agora são exatamente: horas e minutos. Olá, caro amigo! Seja bem vindo, boa leitura e volte sempre.
sábado, 23 de janeiro de 2016

O sonho terrível.

  Nodes sonhou algo terrível, seu pai estava ferido. E Nodes o carregava para algum lugar, para que ele pudesse melhorar. Acho que o levava para dentro da casa. Tipo o banheiro. O pai vomitava muito. Logo todo aquele vomito virou um tipo de gosma com sangue. Ele sentiu muito nojo. Mas era seu pai e tinha o dever de ajudá-lo. O vomito estava por toda parte. Não havia como conter. Algumas partes da casa tinha pequenas poças disso. Agora era como uma pequena enchente que corria por todo o prédio. Nodes sentiu uma mistura de nojo e pena de seu pai.

  Algo que Nodes não queria aceitar, e queria ao mesmo tempo, seu pai estava morrendo. E de certa forma, por não podê-lo ajudar, e não querendo ajudá-lo também, ele sentiu culpa com um misto de alegria doentia.

  Quando olhou sei pai de costas, enquanto entrava numa sala escura, em algo que parecia ser um banheiro masculino, o pai virou algo medonho e alienígena. Era um tipo de criatura espacial. Nodes achou que devia ser por causa do vomito que o havia desidratado e sugado suas forças. O pai andava de forma muito estranha, andava como um zumbi ferido.

  A esposa de Nodes, RosinhaSoares, que dormia no chão da sala, agora flutuava em meio nas águas fluviais do vomito parteno. E dava-lhe a impressão que em algum momento ela iria naufragar. As águas a levaram.

  Apesar de tudo ser tão terrível, Nodes não teve medo. E isso era mais uma visão que um pesadelo.
 
;